Professor de arquitetura e urbanismo questiona a falta de infraestrutura dos espaços públicos de Varginha

Tema foi debatido no Agenda Minas realizado na cidade. Próxima edição do evento será em Poços de caldas, dia 22.

    • ACidadeON
    • ACidade ON

No Agenda Minas realizado em Varginha (MG) o professor de arquitetura e urbanismo Wesley Medeiros foi um dos convidados para o debate. O professor enumerou os problemas de infraestrutura nos espaços públicos da cidade que, segundo ele, vai tirando o estímulo das pessoas de buscarem esses locais.

O Agenda Minas é organizado pelo Oceano Azul, com apoio institucional da EPTV e patrocínio do Governo de Minas, e tem o propósito de debater com lideranças e comunidade formas de desenvolver as cidades de maneira criativa e sustentável. O próximo evento será em Poços de Caldas, no dia 22 de setembro.

O uso do espaço público de nossas cidades

Para o arquiteto e urbanista Wesley Medeiros, de maneira geral, os espaços públicos de Varginha faltam o básico para as pessoas se apropriarem deles. Ele cita falta de bancos, de banheiros públicos, de lixeiras, de uma iluminação mais adequada para quem frequenta a noite, e de arborização para os frequentadores durante o dia.

Para exemplificar, Medeiros lembrou dos espaços como o alto da Cemig, utilizado como lazer e para prática de atividades físicas, a praça próxima ao terminal rodoviário e outras praças em bairros e locais que adolescentes utilizam para soltar pipa ou jovens para reunir com amigos.

“Então, esses espaços definidos não existem. Existe uma calçada, um banquinho, enfim, o espaço não vai nos ajudando a ocupa-lo de forma definitiva e dar sentido a esse espaço. Aí as pessoas vão ter que fazer o que? Elas vão no espaço, elas vão sentar no chão, que é o único lugar que tem. Se tem um banquinho ali, cabem quatro ou cinco pessoas. Mas o grupo é de dez, 15 pessoas. Aí o jeito é sentar no chão, ou eu procuro uma árvore para me encostar ou vou ficar em pé mesmo”, diz o professor.

Para Medeiros, essa falta de infraestrutura tira o estímulo das pessoas buscarem esses espaços.

Como encontrar uma solução

O próprio professor de arquitetura e urbanismo aponta um caminho para encontrar uma solução para o problema. “O cidadão precisa manifestar o interesse dele em usar o espaço, e nesse sentindo, construir um movimento de pessoas para tentar modificar o local de forma criativa, levando palhetes, bancos, cadeiras e deixar ali para as pessoas irem se apropriando”.

Outra opção, caso não faça você mesmo, é juntar um grupo de pessoas e irem reivindicar essas melhorias junto à prefeitura, de modo que aquele espaço faça sentido no cotidiano da cidade, diz o professor.

O vice-prefeito de Varginha, presente no seminário, Vérdi Lúcio, comentou que o debate trazendo ideias criativas é muito importante e ajuda a aperfeiçoar a gestão pública. Para o vice-prefeito é necessário otimizar os gastos dos recursos públicos, descentralizar os serviços da prefeitura para que o cidadão tenha acesso mais rápido e efetivo. “A demanda por melhorias é crescente e os recursos são escassos. Esbarramos nisso”, afirmou o político.


0 Comentário(s)