Nem tudo que é criativo gera a 'economia criativa'

No coração da economia criativa estão as indústrias cultural e criativa

    • ACidadeON
    • José Manuel Lourenço

 Freepik

 

Criatividade é ingrediente importante, mas não é sinônimo de economia criativa. Nem tudo o que envolve criatividade é economia criativa. De acordo com o portal “Creative Cities”, do Conselho Britânico, comunidade que agrega o maior setor criativo da União Europeia, o termo economia criativa refere-se ao potencial socioeconômico de atividades que lidam com a criatividade, conhecimento e informação. 

Segundo o portal, no coração da economia criativa estão as indústrias cultural e criativa, que se localizam em uma encruzilhada que reúne artes, cultura, negócios e tecnologia. O que une essas atividades, segundo o “Creative Cities”, é o fato de que todas negociam com bens criativos na forma de propriedade intelectual - a estrutura através da qual criatividade se traduz em valor econômico. “Estar em casa dedilhando um violão ou criando uma receita não é economia criativa, embora requeira criatividade. É preciso saber tirar valor dessa criatividade”, disse Ana Carla Fonseca.

Quem organiza
A realização do evento é da Oceano Azul Eventos, que faz parte das Empresas Pioneiras. O Agenda tem, ainda, o apoio institucional da EPTV.

SERVIÇO
Agenda Minas 2017
Tema: Cidades Criativas e Cidadania Ativa
Data: 8 de dezembro
Horário: das 8h30 às 11h30
Local: Teatro Municipal Christiane Riêra
Endereço: Avenida Doutor Jeferson Dias, 500 - Itajubá - MG

EVENTO GRATUITO
Quer se inscrever ou saber mais detalhes sobre o Agenda Minas 2017? Acesse o hotsite www.agendaminas.com
 


0 Comentário(s)

Seja o primeiro a comentar.